sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

a ordem do dia (só por mais dois dias!)


à beira de mais uma eleição, este seria francamente um voto interessante:





Esse é o mote: Vote

Este
é o mote: vote.
Estamos todos no mesmo bote.
Vote.
Escolha o menos fracote
e vote.
Já não se votou no Lott?
Pois vote.
Não anule nem faça trote.
Vote.
Pelas barbas do Quixote,
vote!
Não picote o papelote.
Vote.
Tire os nomes de um pote.
Ou do decote.
Mas vote.
Não passa na glote?
Não faz mal.
Vote.
Você preferia ficar em casa ouvindo o Concerto em Dó Maior
de
Gottfried Munthel para Orquestra, Baixo Contínuo e Fagote?
Tomando um scotch?
Esquece.
Vote.
Vote em sacerdote,
Ou em hotentote.
Mas vote.
Vote em cocote.
(Mas não em iscariote.)
Mas vote.
Não fique aí pensando “to be or not”.
Vote!
E, se no fim faltar rima, não se apague.
Sufrague

img. (alterada) daqui 

5 comentários:

JVF disse...

"Ajude o velhote a dar o pinote". O Kafka seria mesmo o ideal. Por exemplo, as "metamorfoses" para pior são especialidades de alguns políticos (nunca para melhor!!!), ou seja "estarão para nascer duas vezes políticos mais honestos" do que ... Kafka.
Que pagode!
Vote!

leonor f. disse...

Pois! No jornal Público de hoje, o Jorge Silva Melo diz assim:
"Pensara votar em branco, branquíssimo. Mas vou votar em preto, com tinta indelével..."
O que é que se há-de fazer?!
Vote!;)

leonor f. disse...

that means:"Não passa na glote?
Não faz mal.
Vote."

joão ferreira disse...

he he he

the dear Zé disse...

pois... eu até vou lá mas... sinceramente, ainda não decidi a coisa, é cá um naipe...